Ouvindo os filhos

gato com a pata na orelha

Meu irmão me deu de presente de Natal o livro “Melhores pais, melhores filhos”, de Angela Cota e J. Augusto Mendonça, psicólogos clínicos com mais de 30 anos de experiência no atendimento a famílias.

Gostei muito do livro. Ele não traz fórmulas prontas (até porque elas não existem), mas apresentam um “caminho especial e possível: o do coração”.

Em um dos capítulos, os autores falam sobre a importância de ouvir nossos filhos. Isso traz um resultado enorme na correção de comportamentos, desde que a criança perceba que realmente foi ouvida. Experimente repetir e confirmar o que ela disse, para compreender o que ela sente, antes de dizer o que pode ser feito.

Os autores relatam esse diálogo tocante:

Um exemplo de confirmação aconteceu quando meu filho tinha cinco anos. Nesse dia, quando eu disse que já estava tarde e que era hora de ir para a cama dormir, ele me disse:

– Não quero dormir. Não vou dormir.

Então eu confirmei:

– Eu escutei que você não quer dormir, que não vai dormir.

– Eu nunca mais vou dormir. Eu não quero dormir nunca mais.

– Você disse que nunca mais vai dormir, que não quer dormir nunca mais.

– Eu não quero dormir porque se a gente dorme a gente morre.

– Eu escutei você dizer que não quer dormir porque se a gente dorme a gente morre.

– O João não foi à escola hoje e a Tia Márcia disse que foi porque o irmãozinho bebê dele dormiu e de manhã estava morto.

– Eu escutei que você disse que não quer dormir porque se a gente dorme a gente morre, mas isso que aconteceu com o irmãozinho do João se chama “morte súbita no berço” e acontece muito raramente, com criança de até seis meses de idade. O bebê não sabe se mexer, se levantar, tem problema para respirar e então morre. Você já está maior, já tem cinco anos, sabe se mexer bem, virar de lado, levantar. Isso não vai acontecer com você. Você pode dormir assim como a mamãe, o papai e seus dois irmãos, sem se preocupar.

Esse é um exemplo interessante porque mostra uma maneira bastante saudável de descobrir por que a criança não quer algo, sem passar por cima do que ela acredita, sem forçá-la a fazer uma coisa que ela está com medo de fazer. Além disso, depois de confirmar e descobrir o porquê da criança não dormir, foi possível orientá-la, ensinando o que ela desconhece.

(COTA, Angela & MENDONÇA, J. Augusto. “Melhores pais, melhores filhos”. Belo Horizonte: Diamante, 2012. Pp 117-118).

Gente, eu tenho feito aqui em casa. É impressionante.

Veja também:

A linguagem secreta da birra: o que é preciso saber

Feche a boca e abra os braços

Anúncios

2 pensamentos sobre “Ouvindo os filhos

  1. Muito bom, faz uma diferença brutal mesmo! Tem um livro parecido que me ajudou muito, chamado “Como falar para seu filho ouvir e como ouvir para seu filho falar” (de duas autoras americanas, se não me engano). É bem por aí, ele reforça a necessidade que as crianças têm de se sentirem ouvidas e compreendidas. Parece óbvio, mas muitas vezes a gente perde a capacidade de ouvir sem nem perceber…
    beijo!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s