O pequeno estrategista

Pais que tentam estimular o bom comportamento dos filhos precisam tornar-se estrategistas amadores (os filhos são profissionais).

(DIXIT, Avinash K. & NALEBUFF, Barry J. “Pensando estrategicamente”. São Paulo: Atlas, 1994)

A frase acima consta do prefácio de um livro técnico sobre Teoria dos Jogos, que visa a ensinar os princípios do raciocínio estratégico. Os autores são muito sábios ao encontrar, nas crianças, esse raciocínio que a gente acaba perdendo e tendo que reaprender quando adultos. Principalmente quando viramos pais.

Dia desses, voltei para casa e recebi do meu marido um “boa noite” meio mais-ou-menos. Perguntei logo o que havia acontecido, e ele me disse, chateado:

– Comprei um jogo novo para Wii. Levei um tempão para escolher. Crente do sucesso que as crianças iam se divertir de montão, inseri o disco no aparelho. Pois não deixaram passar nem 15 minutos e já estavam gritando e se atracando no quarto. Não briguei, não fiz nada: só desliguei a TV e proibi de jogar por 1 semana.

Em um segundo, mapeei o “climão” que tinha se abatido. A tristeza do pai que traz um presente na esperança de unir e que acaba surtindo o efeito contrário. Acompanhada da minha desilusão de… putz, por que não podem brincar numa boa? No quarto, os três amuadinhos.  O mais velho escrevendo no caderno, uma espécie de diário, se sentindo injustiçadíssimo. A briga havia começado porque ele estava, a pretexto de ensinar ao caçula como jogar, tomando toda hora o controle; o caçula não queria aceitar “interferências”, e daí TUFF!! mandou o controle na cabeça do mais velho. Minha filha do meio estava ainda mais frustrada, porque não tinha nada a ver com o bode e entrou no mesmo balaio. E o caçula deixava escorrer as lágrimas sem emitir nenhum som.

Meu marido disse novamente:

– Não fiz nada. Só desliguei o Wii.

Sabe que esse tipo de ação silenciosa dos pais pesa mais que uma bronca. É quando os filhos percebem que provocaram algo mais sério. Tentei apaziguar e também dar a César o que é de César. Com o ok do pai, livrei a menina da proibição de 1 semana. Elogiei o mais velho porque ele só queria ajudar, mas também pedi paciência. Quanto ao caçula, disse que nada justificaria bater em ninguém, muito menos no irmão, menos ainda porque ele queria ensinar. Eu vi que ele estava arrependido. Mas também não podia deixar pra lá, até por uma questão de equanimidade e justiça.

Mais tarde, vi que ele continuava a derramar lágrimas e agora se dedicava a fazer um desenho (já que não sabia escrever). Olha o desenho:

desenho de criança com boneco chorando

Quando eu vi, não resisti; tomei-o nos braços e enchi de beijos. Enchi os três de beijos. Falei para o caçula pedir desculpas aos irmãos e ao pai, o que ele fez com o rostinho banhado, com a promessa de que isso não iria se repetir (a-hã).

Aí ele me entregou outro desenho:

desenho de criança de boneco sorrindo

Comparando os dois desenhos, dá para ver o estado de espírito de cada um, o primeiro feito em lápis de cera marrom, sombrio, e o segundo em laranja, alegre.

Dias depois, a menina estava brincando no computador, e o caçula começou a encrencar querendo brincar também.

Aaaahh, as confusões de sempre…

Gastando minha beleza e todos os artifícios diários dignos da carreira do Direito para ser juíza, jurada, advogada e conciliadora, eu disse que ele não tinha razão e deveria esperar que ela saísse.

Não levou nem 15 segundos para o baixinho me aparecer com um novo desenho de um boneco chorando. Mas, dessa vez, não combinava com o sorriso maroto e a carinha sapeca de quem desenhou…

Três anos de idade. Estrategista profissional.

___________________

Veja também:

A Fada dos Dentes

A Receita de Sofia

Coisas que só quem tem três filhos (ou mais) sabe o que são

Os segredos das Supermulheres – Marusia fala

Tesouros

This post in English: The little strategist

Anúncios

9 pensamentos sobre “O pequeno estrategista

  1. É cada uma em Marusinha? Amei esse post! Com certeza vou voltar nele mais vezes e ler novamente só pra rir e se emocionar. Bjs 🙂

    • ooownn, e a carinha do bonequinho chorandinho? Até para incluir aqui no blog fiquei com o coração miudinho…

  2. Olá! Adorei seu blog! E seu pequeno estrategista é muito esperto também! A minha tem apenas 1 ano e 10 meses e já sabe utilizar artifícios convincentes a seu favor…rs Essas crianças… Mas nada que não seja resolvido com amor e estratégias da nossa parte tbém. bjs Camila Vaz
    http://mundodepalavras.wordpress.com

    • Oi, Camila!
      Sim, é verdade: o amor é a estratégia maravilhosa que dá certo sempre, com todo mundo, em qualquer tempo, em qualquer lugar!
      Obrigada pela visita!
      Beijos!

  3. Não é possível… Que sapequinha e super inteligente. E desenha bem demais. Eu mesma não sei dar tanta expressão pros pobres bonequinhos que desenho kkkk. Amei o embate todo. Beijo

    #amigacomenta

    • Oi, Manu,
      dizem que eles nascem estrategistas e também desenhistas… Mas aí a gente vai crescendo e perdendo essas habilidades… Estou reaprendendo com eles rs!
      Beijos, obrigada pela visita!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s