O Livro do Bebê

Este post é para meu pai.

Quando eu era pequena, adorava ver fotografias antigas. Meu pai no triciclo, minha mãe na primeira comunhão. As fotos de família em preto-e-branco, rostos tão sérios e tão enigmáticos. Eu ficava braba porque meus pais não tinham me convidado para o casamento deles e ainda tiveram a audácia de colocar outra menina como dama-de-honra (tudo bem que eu só nasci 4 anos depois, mas para mim não tinha desculpa rs!).

Outra coisa que eu amava era ver o “Livro do Bebê”, tanto o meu quanto os dos meus irmãos, com os marcos do nosso crescimento escritos por minha mãe: primeiro dente, primeira palavra, as dedicatórias…

Gosto de preencher o “Livro do Bebê” e os álbuns de fotos dos meus filhos. Eles adoram ler sobre as coisas engraçadas que faziam e diziam. As músicas inventadas, as piadas “internas” que só entende quem é da família. Eles também curtem ouvir a história de como os avós se conheceram, como começou o namoro dos pais.

Creio que o encantamento que as crianças nutrem por esse tipo de recordação tem a ver com nossa busca por um lugar no mundo, na história. É importante fazer esses registros e transferi-los de geração a geração. As experiências da família, o legado dos antepassados, ainda que atravessados por percalços e problemas que todo clã possui, dizem muito sobre o que nós somos. É quando a gente apaga a luz e revive os círculos ancestrais em volta da fogueira para contar as memórias que nos trouxeram até aqui. Encontros que podem ser raros no dia-a-dia atropelado, mas trazem significados profundos para nossa vida.

Olhar para o passado nos ajuda a entender o presente e também saber o que esperar do futuro. No meu “Livro do Bebê”, meu pai deixou uma simples frase sobre o que esperava de mim quando eu nasci: “Que seja uma pessoa de bem.”

Por muito tempo fiquei intrigada com isso. Parecia um desejo tão singelo, despretensioso, talvez óbvio. Não dizia respeito a realização, sucesso. Não era “pessoa de BENS”, “pessoa BEM-sucedida.” Não dizia sobre conquistas, feitos. Nem saúde. Nem sequer sobre felicidade.

Era sobre o que é mais importante, mais caro, mais precioso para meu pai, a verdadeira chave para fazer diferença no mundo. Se formos parar para pensar, era a única coisa da qual ele tinha garantia. Ele não podia ter certeza se eu teria realização, sucesso, bens, conquistas nem feitos. Nem mesmo saúde, nem mesmo felicidade. É fato que ele também não podia saber se eu realmente seria “uma pessoa de bem”; entretanto, era a única coisa que ele podia me oferecer como herança que jamais se deteriora, se subtrai nem se perde: seu exemplo. Exemplo de um homem COMPLETAMENTE do bem.

Obrigada, pai.

_________________

Blogagem Coletiva – “Os pais que eles são”,  proposta por Rede Mulher e Mãe

_________________

Veja também:

Minha vida em 40 músicas

Amar é…

Se os homens amamentassem

De mãe para filha

Anúncios

8 pensamentos sobre “O Livro do Bebê

  1. Lindo! Engraçado que preenchi, com muito cuidado 3 livros do bebê (e agora registro tudo no blog) mas jamais parei pra pensar sobre a real importância disso! Parabéns, pra você, e para o seu pai, que certamente é um pai orgulhoso!

  2. Depois que li esse post tratei de relacionar tudo que eu me lembro da filhota para não esquecer… As lembranças são muito valiosas!
    Bjs Marusinha

    • Já tô aqui imaginando todo o capricho com o qual vc está registrando tudo, presente em tudo o que faz!
      Beijinhos
      Marusia

  3. Ai que lindo, sabe seu pai tem razão, devemos desejar que os filhos sejam pessoas de bem, pois assim serão honestos e honrados.
    E vc hein como é q iria ser dama de honra morri de rir aqui agora com isso.
    #amigacomenta

  4. Adoro fotografias,não sou profissional,mas eu fiz questão de fazer um album da gravidez ao nascimento,e nesse embalo fui adicionando mais fotos.Acho muito legal fazer albuns,a minha filha adora se ver bebezinha.Continue assim e que suas crianças sejam uma pessoa de bem.
    bjs
    #amigacomenta

  5. Parei agora para pensar, fiz o livro do Vítor, mas o da Alice não foi tão caprichado… Ainda bem que tem bastante foto dela! kkkk

    Beijos
    Tati
    Mulher e Mãe
    #amigacomenta

    • Oi, Tati!
      Eu também sou a “fazedora oficial” dos álbuns de foto aqui em casa! Tem todo o ritual: a escolha, a montagem, os textos… Fica superdivertido!
      Beijos!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s