As 10 famílias que beiram a perfeição – Marusia fala

Tirando as fraldas – ou o lado escatológico da humanidade

Quando meu filho mais velho estava desfraldando, a maior dificuldade foi em relação ao cocô. Ele sempre fazia na hora de acordar, na cuequinha. Eu tinha que criar algum incentivo pra ele fazer no vaso. Daí inventei uma história ridícula: que, se ele fizesse no vaso, ao dar a descarga, o cocô iria para o esgoto, a “cidade dos cocôs”. E que lá era divertidíssimo, encontraria muitos amigos etc. Se ele fizesse na cuequinha, a pobre caquinha não iria para a festa… (sim, eu confesso: usei desse expediente sórdido, o da chantagem emocional em seu nível mais rasteiro. Não aconselho ninguém a fazer isso em casa, mas que deu certo, deu).

Entretanto, o que mais chamou a atenção dele foi quando eu disse que a caquinha de todo mundo iria se encontrar na tal cidade – a do papai, a da mamãe… “A da professora também? A do vovô também?” Ficou animadíssimo e surpresíssimo com o fato de todos, inclusive “autoridades”, fazerem caquinha também.

(SENHOR DO BONFIM, que conversa porca é essa??!! Diria minha avó). Eu contei essa história escalafobética aqui só para dizer que:

  1. Não sei se as 10 famílias da Veja são perfeitas o tempo todo;
  2. Não sei se algumas só são fachada, e intramuros o barraco corre solto;
  3. Claro que ter dinheiro ajuda um bocado, mas eles devem ter outro tipo de problema – ter um bando de fãs e paparazzi acompanhando cada movimento seu, por exemplo;
  4. Também não deve ser nada fácil ter que se manter em um pedestal o tempo todo e nunca se permitir um deslize;
  5. Nada que você faça tem reconhecimento, quando a vida foi generosa.

 Não convivo com eles e não faço a menor ideia de nenhuma dessas coisas. A única certeza que tenho é:

TODAS (eu disse TODAS) essas pessoas vão ao banheiro. Brad Pitt? Claro. Tom Cruise, Obama, Will Smith também dão sua contribuição à cidade das caquinhas. Gisele Bundchen, Fátima Bernardes, Xuxa, Cláudia Raia idem. E até a princesinha Suri também comparece ao troninho. Todo mundo faz o “número dois”. Todo mundo é HUMANO.

Igualzinho à gente.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s